• Amazônia Urbana

Esporte e Lazer: campeonato anual no Território Tradicional de Abacatal

Por Evely Costa

Revisão Janaina Amorim

Campeonato no Quilombo | Foto: Arquivo

O Território Tradicional de Abacatal, que fica localizado há aproximadamente 30km da região metropolitana de Belém, tem como endereço a Estrada do Aurá, km 08. Povo hereditário que tem como posse suas terras de herança ancestral por mais de 310 anos, eles carregam a luta e a força da resistência e a persistência contra a escravidão. O território tem o reconhecimento de um quilombo que luta, milita e vai em busca dos seus direitos, não deixando que o sistema escravocrata passe por cima, apagando a sua história.

Foto: Evely Costa

Os territórios tradicionais têm reconhecimento pelos seus costumes, modos de viver e tradições. Dentre elas, está o grande interesse pelo esporte. Cerca de 85% da população deste território pratica algum tipo de esporte físico no cotidiano, como o uso da bicicleta para custear seus interesses e necessidades fora do território, nas localidades das cidades mais próximas. As pessoas do território também caminham entre os diversos espaços ocupados pela população, mas o esporte que mais atua dentro do território com maior quantidade de pessoas que o pratica desde crianças, adolescentes, adultos e até mesmo idosos; é o futebol.



JOGOS QUILOMBOLAS NO TERRITÓRIO DE ABACATAL


No dia 27 de novembro acontece, no território, os jogos quilombolas, promovidos pela Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Juventude (SECELJ). O evento tem a intenção de proporcionar a integração entre as pessoas, levando o esporte para dentro dos territórios tradicionais quilombolas do município de Ananindeua. Mais um evento que veio para fortalecer a cultura desse povo tradicional dessa vez em caráter esportivo intensificando o lazer dentro do território.

Os jogos quilombolas no território de Abacatal aconteceram para intensificar ainda mais o hábito da prática de esportes, incluindo modalidades tradicionais que fazem parte do cotidiano local, como subida no açaízeiro, capoeira, tacoball, tiro ao alvo com baladeiras, entre outros.
Fotos: Arquivo

(+) Assista a um vídeo do humorista Bob Fllay nos jogos quilombolas:


CAMPEONATO ANUAL DO BAR DO OBESO


Há dois anos consecutivos, no final do primeiro semestre para início do segundo, acontece no Território o campeonato de futebol anual do Bar do Obeso, que surgiu diante da necessidade de achar um modo de lazer. Os campeonatos de futebol partem de uma organização de pessoas que buscam todo material necessário para o andamento da competição que se dá por meio de disputas entre um número exato, ou não exato, de pessoas que formam os times.


Entre as competições, as rivalidades e os enfrentamentos dentro de campo dão emoção às partidas. Ao final das rodadas acontece o chamado “mata, mata”, rodadas decisivas para as eliminações de acordo com as pontuações de cada time. Na final do campeonato, os dois últimos finalistas se enfrentam para que haja um campeão, tendo como premiação o primeiro lugar e parte de uma quantia em dinheiro arrecadado durante dos jogos.


Mário Antônio Seabra, 47, proprietário do “Bar do Obeso”, trabalha no plantio de roças e considera-se produtor rural. Ele fala um pouco sobre a importância e a necessidade da valorização do esporte com relação ao campeonato organizado por ele dentro do território.

Foto: Evely Costa
“A faixa etária é mais jovem mesmo. Tem tempo que eles jogam todas as tardes. Agora quando eles estão trabalhando enfraquece um pouco, mas não demora muito eles voltam a jogar de novo. Agora que é verão, as mulheres estão vindo jogar toda tarde. Todo tipo de esporte é muito importante, até mesmo pra saúde da gente. Aqui na comunidade nós somos muito carente de lazer, então o campeonato é mais para a comunidade se divertir em modo geral. O campeonato de futebol é o lazer que tem no final de semana na comunidade. Então eu fiz isso para trazer diversão para a comunidade”, comenta Mário Antônio.

(+) Assista abaixo o vídeo das tardes ensolaradas e em que os rapazes jogam uma pelada no quilombo de Abacatal:


A IMPORTÂNCIA DO FUTEBOL NO QUILOMBO DE ABACATAL


Poucas pessoas sabem, mas há, na região metropolitana de Belém um quilombo, o território quilombola de Abacatal, o único território quilombola da cidade de Ananindeua. Os territórios tradicionais quilombolas são terras de povos que tiveram seus antepassados escravizados e é enraizado a uma história de muita resistência, vivem de um modo diferenciado pelos seus costumes e por suas tradições. E dentro do território o ato de jogar bola e a prática de esportes em si tem se tornado cada vez mais importante. As pessoas jogam bola por lazer, jogam bola de maneira beneficente para ajudar o próximo e, de modo geral, o uso do esporte como lazer tem se intensificado cada vez mais. A coordenadora legal do quilombo de Abacatal, Thamiris Cardoso, 26, fala um pouco sobre a importância das práticas de esportes e lazer para este território.


Thamiris é coordenadora legal do quilombo de Abacatal | Foto: Arquivo Pessoal

“Falar um pouco da prática de esportes, mais especificamente do futebol como fonte de lazer, é falar muito sobre a história do território porque o futebol está enraizado na história deste quilombo, desde anos atrás, do início da fundação do território, da fundação desta associação. O futebol ele não é visto só como um esporte físico ou um esporte de contato, aqui dentro do território ele é visto muito como uma fonte de lazer. Tanto as crianças, adolescentes, jovens, adultos e até mesmo um público com mais idade, tanto homens quanto para mulheres. O futebol é um esporte predominante dentro do território. Sempre que temos uma programação, o futebol é o “carro chefe” dessa programação. Sempre que a gente precisa de alguma forma ajudar alguma pessoa, aqui dentro do território, a gente faz festivais esportivos com o futebol. Então o ato de jogar bola é predominante aqui. A gente tem um campeonato dentro do território que acontece todos os anos e envolve muita gente. E a gente vê que ele não é só um exercício físico do tipo, "ah, eu pratico futebol por que eu quero melhorar a minha saúde”. Além de contribuir para minha saúde do corpo, a gente vê que contribui também para a saúde mental. As pessoas se divertem e praticam isso como uma fonte de lazer. No território quilombola de Abacatal todos os dias as pessoas jogam bola. Elas vão para o campo à tarde, se reúne as meninas, reúne os rapazes, jogam bola, tem jogo só de mulher, tem jogo só de homem, tudo misturado de homem e mulher. Envolve todo mundo, família na beira do campo, a tia que vende Chopp. É um domingo alegre, seja pra ajudar alguém, seja para se divertir, seja para competir, o futebol ele é muito importante para esse território”, comenta.


Thamiris fala também sobre as outras práticas esportivas que fazem parte do cotidiano das pessoas do território de Abacatal. “Como o esporte é bem predominante dentro do território quilombola de Abacatal, sendo que eu acho que cerca de 70% a 85% pratica algum tipo de esporte para além do futebol. O vôlei, tem também as pessoas que fazem o uso de caminhadas ou andar de bicicleta. O andar de bicicleta ele é uma necessidade para sair de dentro do quilombo, mas não deixa de ser uma prática de esporte e tem também quem pratica por lazer, como também a caminhada no final da tarde, o vizinho ir visitar o parente que é próximo ou outra pessoa conhecida que esteja doente, então são esses hábitos esportivos que tem dentro da comunidade, parte deles são por necessidade, mas também por lazer”, conta.


(+) Veja os vídeos das pessoas reunidas para as práticas de esportes que fazem parte do seu cotidiano:


ESPORTE E IDENTIDADE


A relação do esporte com as pessoas do território tradicional de Abacatal, em específico o futebol, está predominantemente enraizado em suas identidades de geração para geração. O hábito de jogar bola e a prática de todos os outros esportes fazem parte do cotidiano desse povo, estimulam a integração social e as práticas culturais.

Foto: Evely Costa

14 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo